S É R G I O R A M O S

atelier E galeria

 

Sérgio Ramos

Formado em arquitetura e urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas/SP, (1991), atualmente possui um atelier em Tiradentes, Minas Gerais, onde se dedica exclusivamente as suas pinturas.

O artista e arquiteto contempla em seu currículo cerca de 70 exposições em mais de 28 anos de carreira e mantém parcerias com galerias no Brasil e no exterior. Inspiradas na literatura, na música e na arquitetura suas obras apresentam circunstâncias e ícones do cotidiano, que conduzem o observador a um mundo imaginário. Com uma estrutura estética, lúdica e poética, utiliza conceitos de tempo-espaço e Gestalt para ativar os arquétipos da memória e alcançar equilíbrio pictórico. 

 

Exposições recentes:

Embaixada Brasileira . Berlim . Alemanha

Anjos Art Gallery . Cassino Atlântico . RJ

Galeria Glen . Iguatemi Alphaville . SP

Brazilian Arts . Nova York, Porto, Viena e Miami

Atelier de Verão . Quadrado . Trancoso/BA

Centro Cultural Yves Alves . Tiradentes/MG  

Salon International Carré D. Lourmarin/França

Colorida Art Gallery . Lisboa/Portugal

Carré D`Artistes Live Painting . São Paulo/SP

ART FAIR Carrousel du Louvre . Paris/França

Ava Galleria . Pieksämäki/Finlândia

Exposition Brazilian Art . Dubai/Emirados 

 

A  G A L E R I A

No local mais privilegiado de Tiradentes, com vista para a Matriz de Santo Antônio e para a Serra de São José, encontra-se o Atelier e Galeria Sérgio Ramos. Com 28 anos de carreira e inúmeras exposições no Brasil e no exterior, o artista e arquiteto que dá nome ao espaço apresenta pinturas que evidenciam a sua técnica construtivista. Diante da profusão característica de elementos em sobreposição que compõem suas obras não é difícil o observador se deixar levar por inúmeras possibilidades de interpretações, incentivado principalmente pelas conversas animadas com o próprio artista ou sua esposa, que fazem do atendimento um convite à contemplação da arte e das belezas da cidade.

Suas obras são metáforas de objetos do cotidiano que se compreendem, se refletem e se correspondem como em um diálogo. Circunstâncias organizadas por ícones como parte de uma tradução poética, formando uma coleção lúdica, onde brinca com os conceitos de tempo-espaço e gestalt, para ativar os arquétipos da memória. São reminiscências sem saudosismos. Alegorias de um mundo cuja essência não é meramente fictícia. Seu trabalho sugere uma nova interpretação desses objetos em uma atmosfera intimista, típica em suas obras, em tons quase oníricos. Traduzem o inconsciente coletivo através de imagens primordiais, fazendo referência ao nosso arquivo 
mental: as formas simples ilustram histórias onde todos já fomos protagonistas.

 

C O N T A T O